Letras Elétricas
Textões e ficções sem compromisso
by J. G. Gouvêa Atualizado em 24 de junho de 2021

A Crueldade da Internet

Publicado em: 16/02/2010

Existe algo de muito cruel na Internet: ela nos expõe demais, cedo demais. Quando eu tinha dezesseis anos eu também escrevia e me achava uma reencarnação de Rimbaud (fazia poemas, lógico).

A diferença é que minhas pobres páginas datilografadas não iam muito longe. Xerox era caro, mimeógrafo, trabalho. Os jornais da cidade só publicavam as coisas que os caras ricos escreviam, por mais bosta que fossem. Bosta de rico é perfume. Então só me sobravam as gavetas e a esperança. As gavetas foram enchendo e a esperança, esvaziando.

Se fosse hoje eu criaria um blog para compartilhar meus poemas e seria imediatamente estraçalhado verbalmente pela matilha de críticos ácidos que espreita a Rede Mundial.

Pobres dos autores de hoje. Nosso mundo não lhes dá suficiente obscuridade para que vicejem. E as frutas verdes, expostas ao sol, apodrecem antes de amadurecer.

Arquivado em: reflexoes