Letras Elétricas
Textões e ficções sem compromisso
by J. G. Gouvêa Atualizado em 24 de junho de 2021

Pastoral aos Descrentes no Amor

Publicado em: 26/10/2010
Tudo bem, agora
que a paixão esfarrapou
e o perdão nos violou.
Agora que temos a paz
com as mentiras queridas.
Se o amargo de antes
não vem à tua boca,
e nenhuma secura sobe
de teu ventre vazio
com acusações fatais.

Agora que montamos
com sobras e refugos
de sentimentos falidos
esse teatro de sombras.

Compraram-te na quinta
oferta que lhe fizeram
e achaste meritório
ter resistido devidamente
às quatro primeiras.
Agora estás vendida
e satisfeita
com o preço,
ou pelo menos precisa
crer que a virtude apenas
é leiloar sua honra.

Agora que estamos tontos
aqui nesse lado escuro,
semeado de grilos
e amarelado de lua,
conta-me por que tua virtude
ainda resiste a tudo.

Sob esta lua tão gorda
e estas nuvens felizes
passa uma noite concisa.
E o nosso inimigo, sorrindo,
está na praça, vestido,
fazendo novos discípulos.

Ele segue e eu fico contigo,
cumpriste tua parte
e sobras comigo.
Dignidade é ter se arrependido.
Arquivado em: poesia