Letras Elétricas
Textões e ficções sem compromisso
by J. G. Gouvêa Atualizado em 24 de junho de 2021

S.P.A.M.

Publicado em: 06/02/2010
Não quero moedas verdes,
já sei o dia de meu casamento.
O de minha morte,
não sou Idi Amin para querer saber.

Não quero convites para o Novo,
não preciso de alongar meu pênis,
não me interessa comprar pílulas azuis
e nem retirar, sem pagar a dívida,
o meu nome do SPC.

Eu quero é paz de espírito
— ah, se me vendessem a quilo!
Eu quero saber “o que se sabe”,
mas que EU ainda não sei.

Gosto de coisas antigas:
nesse mundo em que nasce tanta novidade todo dia,
é mais significativo que nunca
gostar de velharias.
Tenho até uma máquina de escrever, gosto de seu som,
e qualquer dia começo a escanear páginas datilografadas
para blogar.

Meu pênis e minha alma têm o tamanho necessário,
as pílulas de que preciso são apenas vitaminas
e estou quite com a vida e com o Banco, ainda.

Eu quero é paz de espírito
— ah, se vendessem a quilo!
Arquivado em: poesia