Letras Elétricas
Textões e ficções sem compromisso
by J. G. Gouvêa Atualizado em 24 de junho de 2021

Improviso

Publicado em: 26/08/2010
O poema nasce, às vezes,
como uma necessidade dos dedos.

O toque deles contra as teclas,
o prazer de ver as palavras
formarem-se das letras,
tornarem-se negras
e deitarem-se na página.

A frustração de retornar a apagar,
o apego apertado de saber
que o cursor retorna implacável
condeno o erro a não ter havido.

E aquele eterno temor de talvez haver
algum perigo à espreita
que destrua o arquivo,
que delete inapelavelmente
o esforço despencado em um verso.

O poema, às vezes, nasce
uma necessidade do medo.
Arquivado em: poesia
Assuntos: escrever filosofia