Letras Elétricas
Textões e ficções sem compromisso
by J. G. Gouvêa Atualizado em 24 de junho de 2021

Uma Lua Aveludada

Publicado em: 01/09/2010
Uma lua aveludada
acarinha minha solidão
e amortece mais o som
cavado e longínquo
da sinceridade em meu coração

e respiramos em silêncio
a luz anêmona, esta luz-feitiço
que reveste a noite de um
pensamento iníquo1

você trouxe uma taça de licor
      quando entrou
e dominou meus pensamentos,
palavras, atos e omissões

a noite depois se dobrou
e vento bateu nas janelas
e derrubou o livro pelo chão

corujas piaram na escuridão,
o vago e incriado Exterior,
contamos os minutos no relógio
ouvindo os curiangos no terreiro
e mugiram as vacas
atrapalhando a manhã nascente

passou a hora incrível,
passou a luminosa idade,
mas estamos aqui
neste exercício de humanidade
tentando que o frio orvalho não nos dome,
tentando crer não ser verdade
que habitamos este imenso pasto vago
onde vagueiam vacas loucas

  1. Escrito em algum momento entre 2002 e 2003, este foi sempre um dos poemas que eu mantive em todos os meus blogs, sites e perfis sociais. Acredito que muita gente já o deve ter baixado, em várias de suas versões.↩︎

Arquivado em: poesia