Letras Elétricas
Textões e ficções sem compromisso
by J. G. Gouvêa Atualizado em 31 de julho de 2021

Os Precários Araçás de Pequeri

Publicado em: 16/03/2018
Eu não sei por quanto tempo
                            ainda
habitarei esta cidade, esta casa,
este corpo, este plano.
Este fruto que apanho
tem o azedo da infância,
tem a beleza da primeira cor;
                     perdida
numa curva da planície
a que chamam vida.
Plantada a ávore, lenta espera
em um jardim que é meu,
                        por ora,
onde uma esperança viveu,
                    mas já não mora.
Não sei o quanto ainda tenho,
ou quanto escorre.
A fruta é um momento,
que já morre.
Arquivado em: poesia