Letras Elétricas
Textões e ficções sem compromisso
by J. G. Gouvêa Atualizado em 31 de julho de 2021

Obras não disponíveis

capa coletânea fcbb 2010
Coletânea de Finalistas do Festival Cultural BB 2010 (Banco do Brasil, 2011) — Coletânea dos quatorze finalistas da fase nacional e dezesseis menções honrosas. Participei com o conto “O Sarau do Valdir”, representando do estado de Minas Gerais. O Festival Cultural BB foi um evento cultural organizado pelo Banco do Brasil para seus funcionários da ativa e aposentados; bem como seus cônjuges e parentes. Em 2010 as categorias foram Crônica, Fotografia e Dança de Salão). Os participantes são selecionados inicialmente em uma fase regional e posteriormente participaram de um evento final, organizado pelo Banco do Brasil e a Fundação Banco do Brasil.

capa revista verbo número único
Revista “O Verbo” (Independente) — Projeto iniciado na época em que era moderador e co-proprietário da melhor comunidade literária do Orkut (N.E.B. — Novos Escritores do Brasil). Esta revista surpreendeu pelo simples fato de ter vindo à existência, em prazo tão curto e com textos de tanta qualidade. Apesar de prejudicada por alguns problemas de revisão (no sentido de que alguns autores não ficaram satisfeitos com as revisões feitas), apresentou notável harmonia de conteúdo e prometia muito. Foi uma pena a situação na comunidade ter mudado, e o próprio Orkut ter perdido a graça. Participei com três textos: a crônica “Como Evitar Livros Ruins”, o poema “Ruído” e o microconto “As Vozes”, todos transcritos aqui no blog, em versões revisadas.

capa revista textura
Revista Textura (Independente) — A ideia de fazer uma revista literária reunindo meus amigos do Orkut continuou mesmo depois de minha saída da N.E.B., porque boa parte da turma que dava carne àquela comu saiu ao mesmo tempo em que eu. Uma nova revista foi planejaada, inclusive com a perspectiva de ser encampada por uma editora, mas contratempos de última hora acabaram resultando no cancelamento. Desta revista fui o editor e também coloquei dois textos: a crônica “Morrer Nunca Esteve Tão Na Moda”) e o conto “Silêncio”). No total participaram trinta e dois autores e a revista ainda contou com ilustrações, de autoria de Pedro H. G. Paiva e uma linda capa baseada em uma pintura de Kate Manhães. Você pode adquirir esta revista impressa ou em forma de download através do Lulu.com, (mas sem a capa que aí está, devido a limitações deles).

Solarium
SOLARIUM (Editora Multifoco) — BEM-VINDOS AO FUTURO! Este é o convite que a antologia SOLARIUM (organizada por Frodo Oliveira) faz àqueles que não têm medo de vislumbrar o que ainda está por vir. Cidades perdidas, seres de outros planetas, batalhas monumentais, galáxias distantes, tudo isso faz parte do inconsciente coletivo dos que, um dia, se apaixonaram pelo mundo fantástico da Ficção Científica. Convidamos você a desvendar conosco o grande mistério que é o futuro, o eterno desconhecido…

Desta coletânea eu participei com o conto “Os Estranhos”, cujos personagens estão encurralados em uma pequena cidade do interior de Minas Gerais após a chegada de seres misteriosos. Embora não seja exatamente uma obra de ficção “científica”, o texto agradou e acabou servindo de base para a noveleta “Através da Cidade Ocupada”.

Solarium2
SOLARIUM 2 (Editora Multifoco) — O primeiro volume de “Solarium – Contos de Ficção Científica” (lançado em abril de 2009) foi um sucesso e preparou o caminho para o volume 2, que vem a lume quase seis meses depois, com a missão de dar continuidade à ideia original de ser a porta de entrada para que novos autores de Ficção Científica possam se lançar no mercado editorial, desenvolvendo e lapidando seu talento e, quem sabe, dando continuidade a uma carreira literária sólida e duradoura.

Participei desta vez com a versão preliminar do conto intitulado “O Último Reduto” — que narra a história de um homem sem lembranças que desperta em um estranho quarto de hospital, em meio a pessoas que falam uma língua incompreensível. À medida em que a trama se desenrola ele vai redescobrindo as suas próprias lembranças e reorganizando sua identidade, até, finalmente, compreender quem é e onde está, para seu grande choque.

Sinistro!
SINISTRO (Editora Multifoco) — O terror não escolhe dia, hora ou lugar para se fazer presente. Ele simplesmente chega, se instala e faz com que toda lógica e discernimento se evaporem como que por encanto da mente das pessoas. Elas se veem a sós com seus mais terríveis temores. O terror pode ter princípio, mas quase sempre não tem fim. E não adianta lutar contra o medo que provoca. Por mais que tente negar, o tremor das mãos, os pelos eriçados e o bater descompassado do coração provam que você está irremediavelmente apavorado. E isso é o que há de mais Sinistro!…

Embora o terror não seja o meu gênero favorito, participei desta coletânea com um de meus melhores e mais trabalhados textos, “O Preço da Passagem”, obra que mistura referências históricas (regime militar), literárias (Inferno de Dante) e mitológicas (Lúcifer e os anjos caídos) em um texto densamente poético e de ritmo lento e fluido.

Rede de Contos]
REDE DE CONTOS (CBJE/Independente) — Pequena coletânea de textos originalmente publicados no Orkut e organizada pelo meu amigão Ricardo Falco. Trata-se de um livro-portfólio, pois contém ao final as biografias escritas pelos oito contistas publicados e uma introdução escrita pelo Adryan Sinki, dono da comunidade Novos Escritores do Brasil.

O meu texto nesta coletânea é um conto curto, chamado “Secretária Eletrônica”, uma brincadeira com a curiosa denominação que nós, brasileiros, resolvemos dar à “máquina de responder” inventada pelos americanos. O livro também contém um texto de apresentação de meu trabalho junto à comunidade “Novos Escritores do Brasil”.